sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Dois Detalhes (não tão pequenos) da visualização de dados

Estou convencido de que a boa apresentação visual é um aspecto fundamental para quem lida com dados. Observo que frequentemente pesquisas excelentes ficaram prejudicadas porque seus autores comunicaram mal seus resultados: tabelas mal feitas; gráficos inapropriados para os tipos de dados selecionados, malabarismos que prejudicam a visualização.
Neste espírito, quero fazer dois comentários. Um sobre o gráfico publicado no O Estado de São Paulo, feito para ilustrar meu artigo. O outro sobre o uso de cores na apresntação gráfica.

Os marcadores nos gráficos que lidam com o tempo

O Gráfico feito pela equipe de arte do Estado de São Paulo está muito bom. Na verdade, eles deram uma solução melhor, do que a minha proposta inicial. Minha sugestão tinha sido comparar os dois gráficos na horizontal, um abaixo do outro. Eles colocaram ambos na vertical, gerando um resultado muito melhor.



Mas um detalhe acabou prejudicando a observação dos dados. Eles esqueceram de colocar a escala de tempo na linha.
Nosso sistema visual não consegue captar a linha do tempo sem marcações. Veja a diferença agora com o dia 01 de cada mês na linha.
Agora fica muito mais fácil observar a posição dos candidatos ao longo dos meses. Com um gráfico um pouco maior, poderíamos ter utilizado a escala das semanas.



O uso de cores

Recebi está interessante mensagem de Waldemar Celes, professor de ciência da computação da PUC-RJ. Ele comenta os mapas que fiz sobre a diferença de votos de Lula e seus adversários no Nordeste:

"Existe ainda uma questão mais delicada (e eu também não sei muito sobre o assunto, é mais para a gente
trocar idéias). O uso das cores azul e vermelho pode não ser justo (apesar de ser natural a associação destas
cores com os partidos). O vermelho é uma cor quente e o azul é fria. O vermelho puro gera luminância (intesidade
de luz) de 21% e o azul de apenas 7%. Se o fundo fosse de cor preta, com certeza estaríamos matando o azul.
Com o fundo branco talvez temos um equilíbrio: o azul dá mais contraste (com o branco) e o vermelho tem mais
luminância. De qualquer forma, um teste interessante seria colocar dois mapas lado a lado, usando a mesma cor
(verde, por exemplo, é uma boa escolha): uma mapa com os discos pró-lula e outro com anti-lula, no caso.
Mas concordo que pode ser mais difícil fazer uma análise comparativa sem sobreposição".

Depois de receber estes comentários, pesquisei e vi que existe uma enorme literatura sobre o tema. Para quem tem interesse, sugiro um bom livro sobre mapas, que tem um capítulo detalhado sobre uso de cores: Designing Better Maps: A Guide for GIS Users, de Cynthia A. Brewer

2 comentários:

  1. Olá professor,
    Imagino que você conhece o Blog do prof. Andrew Gelman, que discute, entre outras coisas, gráficos. Foi lá que aprendi a substituir tabelas por gráficos. Fica a sugestão.

    ResponderExcluir
  2. Conheço e passo por lá diariamente...
    obrigado,
    Jairo

    ResponderExcluir